18 de Fevereiro de 2018

PMA dá prazo para Makro retirar entulhos

PMA dá prazo para Makro retirar entulhos

A rede Makro deve retirar até o próximo sábado, 28, todos os entulhos da loja que pegou fogo em Aracaju, acidente registrado no último dia 10. O prazo foi estabelecido a partir de entendimentos entre o Ministério Público Estadual e a Prefeitura de Aracaju. De acordo com informações da coordenadora da Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde, Graça Barros, a empresa responsável pelo recolhimento dos resíduos já cumpriu uma parte do plano de tarefa e o dia 28 seria o prazo final para a conclusão dos trabalhos.

Na última inspeção, realizada na quarta-feira, 25, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema) analisou a situação e observou grandes avanços, segundo informações da assessoria de imprensa daquela secretaria. A coordenadora de vigilância sanitária da Secretaria Municipal de Saúde também concorda que ocorreram avanços nas medidas adotadas pela empresa responsável pelo recolhimento dos entulhos. “Eles priorizaram a área do chorume, colocaram aterro e a situação está praticamente resolvida”, observou a coordenadora, confiante que todo o material restante será recolhido até o próximo sábado.

O episódio está sendo acompanhado pelo Ministério Público Estadual. A Promotoria de Defesa do Consumidor aguarda o relatório da Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde para observar a questão e definir as medidas que deverão ser adotadas.

A assessoria de imprensa informou que a Rede Makro cumprirá os prazos estabelecidos pelos órgãos fiscalizadores e que o material orgânico está sendo conduzido para um aterro sanitário. A assessoria garante que todos os destroços serão removidos até o final da semana.

Reunião

Nesta quinta-feira, 26, representantes da Secretaria Municipal de Saúde e da Rede Makro estiveram reunidos, oportunidade em que se pactuou o prazo para a retirada dos entulhos. O gerente de Alimentos e Serviços Veterinários da Coordenadoria de Vigilância Sanitária do Município, Juliano Pereira, informou que a gerência da rede de supermercados tinha intenção de doar os alimentos que não foram diretamente atingidos pelas chamas, o que não foi permitido pela Vigilância Sanitária.

“A intenção do representante era doar as mercadorias para uma instituição de caridade, mas os produtos, provavelmente, foram afetados pelo calor das chamas, o que pode ter comprometido a eficácia deles”, comentou. Para Juliano Pereira, o consumo destes alimentos poderia provocar problemas de saúde. “Ao serem utilizados, eles podem provocar danos à saúde. Passamos essa orientação para o representante da empresa, ele acatou e toda a mercadoria será descartada”, conta Juliano.

Na reunião, o representante da empresa, Wesley Bartoli, explicou que os profissionais que estão trabalhando na limpeza do supermercado já estão colocando areia em todo o local para absorver o chorume. Segundo ele, o mau cheiro já foi reduzido em 90%.

 

Fonte: Infonet

Related posts